CURIOSIDADES

Alguns Projéteis incríveis

Popularmente conhecida como “bala”, seu nome mais pomposo é Projétil balístico.
Podemos chamar de projétil balístico qualquer sólido pesado que se move no espaço, abandonado a si mesmo depois de haver recebido impulso. Geralmente, o povo também chama o projétil balístico de “munição”.

A munição tem quatro partes essenciais: O invólucro, a espoleta, o propelente (normalmente pólvora) e o projétil, que é a parte que realmente entra na pessoa e causa o estrago.

Quando a queima da pólvora produz gases, o projétil, geralmente de chumbo em forma de ogiva, é impulsionado a grande velocidade para fora da arma. É constituído de um núcleo de chumbo endurecido com antimônio e envolvido por uma camisa de tombac, que é uma liga de cobre e zinco.

O Projétil foi criado para matar, e é tão antigo quanto a arma de fogo. Na verdade, há quem sustente que o projétil veio ANTES da arma de fogo ser inventada, porque uma pedra lançada pode ser considerado um projétil.

Como nós sabemos, o Homem usou toda sua engenhosidade para criar as mais sofisticadas e complexas armas de matar. E muito desse investimento foi depositado nas balas, porque efetivamente, são elas que matam, inutilizam e destroem as coisas. Há seu lado inegavelmente trágico, mas se considerarmos que a violência é parte integrante da natureza humana, o avanço nos armamentos é apenas um reflexo da nossa capacidade enquanto espécie de desenvolver ferramentas para atingir nosso objetivo, mesmo que ele seja a aniquilação do outro.

A letalidade é algo horrível, mas há a outra visão, do projeto, da engenharia, da mecânica, Física e até da Química envolvidas no desenvolvimento de um armamento.

É triste que nossa espécie ainda use isso contra ela mesma, mas negar a existência e a curiosidade sobre este assunto jamais fará o problema de seu mau uso não existir.

O maior projetil do mundo?

Existem projéteis de todo tamanho que você puder imaginar. Dos minúsculos aos gigantes, que só podem ser disparados por canhões. Ao que parece, o maior projétil ja feito, servia para municiar uma arma estrambúlica criada por Hitler na Segunda Guerra Mundial. A arma, de categoria cujo nome (apropriado) é Supergun, tinha dimensões tão colossais que precisava ser montada num vagão ferroviário especial.

300px-DoraVSScarab.svg

Compare o tamanho dele com um lança mísseis atual (vermelho) e a figura humana, aquele pontinho ali na frente.

 

2rearme

OLHA O TAMANHO DA MUNIÇÃO     Peso de 7 toneladas

A arma deveria ser capaz de perfurar até 7 metros de concreto reforçado e uma placa blindada de 1 metro, mantendo-se  fora do alcance da artilharia inimiga. O engenheiro da Krupp, Dr. Erich Müller calculou que seria necessário um canhão com calibre de cerca de 80 cm, disparar um projétil de 7 toneladas de um cano de 30 metros. Tal arma teria um peso de mais de 1000 toneladas. O tamanho e o peso significariam que para se movimentar seria necessário um suporte de dois pares de trilhos idênticos. A fábrica Krupp apresentou planos para os calibres de 70, 80, 85 e 100 cm.

Mas vamos voltar aos projéteis mais usados no mundo. Aposto que tem alguns aqui nesta seleção que você nunca viu e nem sabia que existia.

Projéteis em corte

Vendo os projéteis em corte, é possível entender a engenhosidade por trás dessas munições. Observe que esta seleção não foi criada com base na letalidade, mas sim como uma lista curiosa de tipos de balas diferentes.

3

 

Cartucho de calibre 5,56 × 45 mm-bala perfurante com ponta de carboneto e bandeja de cobre para proteger a ponta, e assim oferecer mais precisão. Este material da ponta desta bala é uma das substâncias mais duras do planeta Terra.  Esse monte de bolinha ali atrás dele é pólvora em grãos, cuja função é explodir, disparando a ponta para a frente.

4

 

Ao bater o olho neste cartucho sênior calibre  XM216 5,56 × 45 mm (.223 Remington), você vai ver que alguém gastou muito neurônio para gerar uma arma de alto poder destrutivo. O destaque deste projétil vai para  uma bala perfurante em forma de flecha com aletas.

Tal flecha de alta velocidade perfura até a mais cabulosa armadura de kevlar, de modo que um colete à prova de balas militar não vai te salvar – apenas uma literal intervenção divina pode evitar sua morte diante de tal engenho. A Empresa Frankford Arsenal permitiu seu uso no programa americano SPIW – Springfield Armory e Winchester. Entre 1965 a 1970. A ponta é de madeira fraca revestida em metal, que serve apenas para posicionar corretamente o dardo assassino.

E que tal este garotão aqui em baixo? Sabe aquele ditado “um é pouco, dois é bom, três é demais?”  O cara que criou este cartucho pensa que três é o ideal!

5

O cartucho especial 7,62 / 5,6 mm  Squeezebore vem com três balas de bronze. A razão disso é que ele foi projetado para uma ação especial: Ao ser disparada esta bala solta as três pontas como um projetil só, mas antes do impacto elas se desconectam, e atingem aproximadamente o mesmo lugar, não exatamente o mesmo, de modo que são três impactos simultâneos afastados poucos milímetros uns dos outros, garantindo aquela CARNE MOÍDA DE PRIMEIRA! E isso foi inventado na década de 70!

Uma outra razão para este tipo de munição com pontas múltiplas, é que como sabemos, um sistema de proteção visa garantir a proteção contra um determinado impacto, não contra impactos sucessivos num mesmo ponto. Este tipo de bala busca explorar esta fragilidade técnica.

A famosa bala de plástico!

6

 

Como você sabe, só no cinema que o Schwarzenegger dispara uma bala de rifle de combate e ela mantém força letal a uma distância de vários quilômetros. No mundo real, quando você dispara sobre o alvo, acima da faixa de 150 metros, a bala pode fazer “travessuras” perdendo a precisão.

Visando solucionar isso, foi desenvolvida esta munição encapsulada num cartucho plastico, que a tornou mais leve e precisa. Ela por ser mais leve e precisa, também se tornou econômica por necessitar de menos propelentes. Esta bala não é uma bala efetivamente para combate a guerra, mas sim usada para treinamento da OTAN. Ela tem a opção de usar traçante. Foi produzida para o Exército britânico pela empresa alemã Dynamit Nobel AG. em 1990.

Os caras sempre buscam novos materiais para inovar nessa área e a química ajuda nisso. Além do plastico de revestimento, como vimos acima, eles já usaram até propelentes de explosivo químico:

7

Este é um bom exemplo de propelente químico. Trata-se de um cartucho de Formação 7,92 × 57 Mauser.  A ponta da bala é normal, mas ele não usa pólvora, o que o torna ideal para uso em ambientes úmidos, como a selva Amazônica,  pois isso dispara até debaixo dágua. O uso de propelente químico também parece que aumenta a durabilidade da bala, sendo vantajoso no custo-benefício.  Aquele algodão ali é algodão comum. A razão dele estar ali é simples: Se a ponta estivesse em contato direto com o material explosivo, e você deixasse  a bala cair de ponta, ” Buuum!”

Claro que materiais sofisticados são muito apreciados para fazer balas, mas já pensou numa bala feita de madeira?

8

 

O cartucho sueco de formação 6,5 milímetros por 55 milímetros Mauser era equipado com a ponta de madeira. Acho que a finalidade disso era fragmentar essa porra dentro do infeliz que levasse o tiro, tornando inútil toda tentativa de salvá-lo. Coisa de 1950.

Agora falando em munição de revólver/pistola, vamos ver uma bem curiosa:

9

Este é um cartucho de pistola 9 milímetros Especial Glaser feito pela empresa americana COR-BON/Glaser Munições. Trata-se de de uma bala com ponta de esfera de plastico. Atrás dela tem uma cacetada de bolinhas de chumbo enfiados num revestimento de bainha de cobre. Ela destina-se exclusivamente a unidades especiais para combater o terrorismo. Usa pólvora de confete. Essa arma pode ser disparada na cabine de um avião, porque foi projetada para se desfazer dentro do alvo, não saindo do outro lado. Dessa forma fica garantido que só quem levou o tiro (supostamente o terrorista) será ferido.

 

Este é um cartucho de pistola do calibre britânico mais comum 9 × 19 mm (Luger / Parabellum).

10

 

O diferencial deste cartucho é que encapsularam a ponta da bala num revestimento de de cobre que atua como uma “camisa” que protege a ponta da deformação, mantendo seu formato e aumentando dramaticamente sua capacidade de penetração no alvo.

Enquanto muitas vezes o objetivo do revestimento é manter a integridade da ponta, há também o caminho inverso. Balas com a ponta oca tem um enorme poder destrutivo, porque ao ser disparada, a bala abre esse buraco aumentando seu tamanho em até duas vezes. Essa ponta ao ser disparada fica igual uma flor. Isso abre um rombo no infeliz que estiver na frente deste tiro.

11

Curiosamente, este não é o caso desta bala com pota oca aqui em cima. A Bala Wadcutter,  de cartucho de pistola calibre 9 × 19 mm (Luger / Parabellum). A ponta da bala é  bronze na forma de um cone truncado com uma depressão. Isso gera  bordas afiadas, que quando atingem um alvo de papel, fazem um furo liso e limpo.

Em algumas vezes, a bala tem uma função sinalizadora embutida. É o caso dessa curiosa aqui:

12

 

Calibre cartucho de pistola 9 × 17 mm (.380 Browning). Quando disparada, esta bala tem uma pequena quantidade de fósforo na base da ponta do projétil que se incendeia deixando um rastro luminoso visível a olho nu na escuridão. Além do efeito traçante, ao atingir o alvo ela entra num segundo modo de queima, liberando uma nuvem de fumaça colorida. Aquilo na ponta que parece uma esfera de plastico é o composto da fumaça. O fósforo queima até ali, rapidamente gerando o efeito traçante. Ao chegar naquela parte, o próprio fósforo inicia a reação que libera a fumaça.

Este aqui em baixo  é um cartucho de pistola especial. Trata-se de munição de Alta Segurança,  calibre 9 × 19 mm (Luger / Parabellum).

13

Esta bala parece ter sido ideia do próprio capeta, mas na verdade foi desenvolvida pela empresa Cobra, uma companhia britânica, na década de 90.

Basicamente em uma bala feita de um plastico bem macio, (polietileno eu presumo) eles enfiaram nada menos que sete dardos de aço forjado (são visíveis no corte apenas três deles).

Para evitar a destruição prematura (antes de acertar o alvo) a bala é coberta com uma  jaqueta de cobre. Uma vez penetrada no alvo, essa jaqueta se rompe, e cada um desses dardos vai seguir um caminho, minhocando por dentro do infeliz. Os dardos são pensados para penetrar coletes à prova de balas.

Este tipo de bala foi regulamentada para uso de tropas de combate ao terrorismo.  A finalidade é matar rápido, produzindo tanta devastação no cara que ele não consegue apertar um detonador de bomba.

Balas com surpresinhas são um tipo de Kinder Ovo mortal.  Aqui está outra:

14

 

Ela é um cartucho de pistola especial Sky Marshall calibre 9 × 19 mm (Luger / Parabellum). Ela é usada  para serviços de inteligência de contraterrorismo israelenses. Ela leva um detonador de pólvora de confete que dispara a ponta feita em Resina macia, que traz consigo um polímero com com esferas de aço. O efeito no corpo é o mesmo que a da bala anterior, só que este é pensado para matar um terrorista sem colete à prova de balas.

Se você acha que já viu munição esquisita suficiente, espere só para conhecer o próximo :

15

Este que parece mais um brinquedo que uma bala é o cartucho de revólver Speer  de 9mm. Ela tem como elemento principal um um revestimento de plástico. A ponta dessa bala é de “plástico traumático”.  O plastico externo (cinza) é muito macio, tendo um núcleo de plastico duro. O efeito (eu suponho) é um pouco acima do estrago provocado por um tiro de bala de borracha. O plastico vem sendo cada vez mais usado nas munições, por seu preço e outros fatores. Aqui está outro exemplo do uso do plastico na balística:

16

Cartucho de pistola 9 × 22 milímetros. Trata-se de uma bala semi-expansiva.  Nessa bala, o recesso da ponta é fechado com uma carenagem de plástico, que tem por finalidade evitar o entupimento da cavidade com as rpupas do inimigo. Se o buraco da ponta, ou recesso,  está entupido, a bala se torna uma bala comum  e perde a propriedade expansiva.

Uma vez que a bala atravessou a camada de tecido, esse plastico se desfaz, revelando o buraco da ponta, que ao atingir a carne, vai abrir como uma estrela arregaçando tudo que estiver pela frente. A carenagem plastica na ponta também melhora a precisão das balas. Foi desenvolvida pela empresa suíça SIGARMS em 1994. Os cartuchos expansivos são sempre muito letais pois permitem que a bala seja  capaz de aumentar de diâmetro ao atingir um alvo humano, produzindo assim maior destruição de tecidos. Outro exemplo nessa linha, é este modelo abaixo, semi-expansivo.

17

Cartucho de pistola 9 × 19 mm (Luger / Parabellum) com bala semi-expansiva. Trata-se da munição de alto poder letal mais popular entre a polícia nos Estados Unidos. Tem bom poder de parada.

A munição de ponta oca (também chamada hollow point) é tão destrutiva que a convenção de Haia de 1899  proibiu seu uso na guerra. Mas no Brasil seu uso é indiscriminado e no Rio ela é usada pela polícia corriqueiramente. Sim, a polícia do Rio usa balas que são proibidas de usar até em guerras. 

Agora se você quer mesmo “ver o oco” e fazer carne moída, o ideal é esse catiço aqui em baixo.

18

Trata-se de um cartucho de 76 milímetros para espingardas de combate. Ela tem vários elementos marcantes. A pólvora é granulada, e dispara balas internas repletas de chumbo. Dizem que isso foi criado para você matar no escuro quem der o azar de estar no seu caminho. Não precisa nem mirar! O disparo abre um guarda-chuva enorme de fragmentos mortais que se abrem num leque.

Fora essas, ainda tem balas que ao penetrar no corpo tem ativada uma carga explosiva e estouram. Há um numero enorme deste tipo de munição. Isso explica essas partes ocas.

19

Após o disparo, a carga líquida contida no interior do projétil (normalmente mercúrio ou glicerina) sofre uma aceleração violenta, e se comprime para trás; quando a munição atinge o alvo, a substância se expande para frente. Nesta expansão, o líquido empurra a ponta da munição, que se projeta para frente. Com isso, a munição se fragmenta tal qual uma granada, podendo causar ferimentos gravíssimos em um raio de até 20 centímetros a partir do ponto de impacto.

Incrível né?

Você acha que já viu tudo? Errou! Há ainda a munição de urânio empobrecido.

Imagine uma bala de fuzil que é radioativa e perfura qualquer coisa? Ó ela aqui:

20

Na década de 1970, o Pentágono divulgou que o Pacto de Varsóvia havia desenvolvido tanques com blindagem tal que a munição da OTAN não era capaz de penetrar. Após o teste de vários metais, o Pentágono aprovou o urânio empobrecido como ideal na construção de munição para perfurar as novas blindagens devido às suas propriedades físicas e relativa facilidade de obtenção.

O exército americano utilizou munições de urânio empobrecido durante a Guerra do Golfo, em 1991, e actualmente na ocupação do Iraque. A OTAN voltou a utilizá-las, como na Guerra da Bósnia, entre 1994 e 1995. Em 1999 foi usado na campanha de agressão contra a Sérvia. Segundo relatos de médicos noruegueses, que atenderam feridos na Faixa de Gaza, as Forças de Defesa de Israel também usaram urânio empobrecido nos ataques a Gaza, em 2008 – 2009.9 10 O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica das Nações Unidas (AIEA), Mohammed ElBaradei, acolheu a denúncia dos países árabes, entregue pelo embaixador da Arábia Saudita, sobre o uso de munição com urânio empobrecido.

A porta-voz da AIEA, Melissa Fleming, informou que “investigaremos o assunto na medida de nossa capacidade”.

Existe uma controvérsia sobre se as armas à base de urânio empobrecido deveriam ser proibidas pelas convenções internacionais, dado que o urânio se pulveriza durante a explosão, formando nuvens de partículas ligeiramente radioativas, capazes de contaminar extensas áreas . Em 2001 a ONU verificou que, contrariamente ao que se pensava anteriormente, a munição de urânio empobrecido norte-americano contém plutônio e provém, portanto, de usinas de reprocessamento, não de enriquecimento, razão pela qual sua radioatividade é mais alta do que se imaginava.

 

 

Fonte : http://www.mundogump.com.br/projeteis-incriveis/

Sobre o autor

admin